3 de jul de 2012

Oficina de conservação de fotografia busca preservar memória de acervos do interior paulista


Profissionais da área de museus, estudantes, fotógrafos e agentes de preservação da memória se reuniram nos dias 28 e 29 de junho a Biblioteca Municipal Tristão de Athayde em Ourinhos para a oficina Conservação Preventiva de Coleções de Fotografias: Catalogação, Acondicionamento e Guarda, ministrada por Marília Fernandes, Mestre em Artes com ênfase em Gerenciamento Museológico de Coleções e Preservação de Fotografias, pela George Eastman House Museu Internacional de Fotografia e Filme, EUA.

Em uma iniciativa do Sisem – Sistema Estadual de Museus de São Paulo -  Marília está percorrendo o interior do Estado nessa ação de conservação de fotografias que faz um panorama de como cuidar de acervos fotográficos. “Fotografias são diferentes de outros acervos, são diferentes de documentos, desenhos e pinturas. A fotografia é muito frágil, muito específica. Por isso esse trabalho de conservação também é específico. A própria catalogação, a documentação da foto também é diferenciada. Então, a oficina busca abordar como se documenta a fotografia, passando um pouco pela própria história da fotografia, da técnica fotográfica, mostrando que a fotografia não é uma coisa só, mas sim um conjunto de processos de criação de imagens a partir da luz, e todos estes processos são fotografias, são diferentes e podem ser encontrados em acervos, são essas diferenças que precisamos reconhecer”, explica.

A oficina passou para os 30 participantes um pouco da história da fotografia e como se documenta e se reconhece os danos que as fotografias sofrem com o decorrer do tempo, principalmente sob os efeitos da umidade e calor. “Vamos encerrar a oficina com uma confecção de embalagens com material adequado, simples e fáceis, que todos podem levar pra casa um exemplo e reproduzir no seu acervo”, conta Marília.

Marília Fernandes conta que essa ação visa preparar os museus do interior que cuidam da memória, muitas vezes da cidade ou da região, e sempre possuem fotografias em seus acervos. “Geralmente são fotos das famílias, fotos que registram os eventos da cidade, são acervos fixos de todo pequeno museu que conta e cuida da memória do local”.

Sobre o trabalho desenvolvido em Ourinhos, Marília ressalta a diversidade do grupo. “Tem o pessoal que trabalha nos museus, trazem dificuldades concretas, reais do dia a dia, o que gera uma discussão muito boa e enriquecedora. Tem também o grupo dos estudantes, pesquisadores, Ourinhos é o primeiro lugar que eu vou e que de fato tem um grupo de estudantes universitários que vem buscar como uma forma de profissionalização, uma área que eles estão buscando para trabalhar, isso foi muito interessante”.

Uma das participantes da oficina foi Priscila Miraz, doutoranda em História da UNESP/Assis. A pesquisadora conta que seu interesse pela imagem fotográfica surgiu de seu trabalho sobre os foto clubes das décadas de 1940 e 1950. “Minha área dentro da história é a história da América Latina. A partir de algumas pesquisas cheguei até o foto clube Bandeirante, em São Paulo, que produziu durante três décadas um boletim muito importante chamado Boletim Fotocine. Através desse boletim eu cheguei a um fotoclube mexicano chamado La Ventana e me interessei em trabalhar com essas redes de informação sobre fotografia, teoria, que os foto clubes propiciaram nessa época. O meu interesse pela fotografia vem daí. Pesquisei bastante, tive muito contato com a teoria e a história da fotografia, mas me faltava um pouco da parte prática e foi isso que vim buscar aqui na oficina, as técnicas fotográficas e também a questão da conservação em si, já que trabalho com acervo também. Achei extremamente interessante a maneira que a Marília conseguiu amarrar a questão da técnica com a história da fotografia, passando por todos os processos até chegar ao digital. E depois, nesse segundo dia, a conservação desse material, está sendo muito boa a prática, o contato com o papel adequado, a limpeza da fotografia, foi muito interessante eu nunca tinha visto pessoalmente, gostei muito de participar”.

Um comentário:

Aline Doria disse...

Amei o curso, recomendo a todos. A Marília Fernandes nos instruiu muito bem e realmente aprendemos como preservar de forma simples as fotografias, agora maõs a obra!!!