13 de mai de 2010

‘Porque a criança cozinha na polenta’ é o espetáculo de hoje na 2ª Mostra Sérgio Nunes de Artes Cênicas

Montagem da Cia. Mungunzá, a peça é uma adaptação do texto autobiográfico da romena Aglaja Veteranyi.


Ditadura, incesto, pedofilia e exílio são alguns dos temas do espetáculo "Por que a criança cozinha na polenta", texto autobiográfico da romena Aglaja Veteranyi, encenado pela Cia. Mungunzá de Teatro. Adaptada e dirigida por Nelson Baskerville, a peça mostra uma família de artistas de circo que foge da ditadura de Ceausescu, na Romênia, e se refugia na Europa ocidental para tentar uma nova vida. Esta é a atração da Mostra Sérgio Nunes de Teatro desta quinta (13), às 20h30, no Teatro Municipal Miguel Cury.
Narrado por uma adolescente que se defende da degradação pela ótica infantil, este espetáculo é ao mesmo tempo lírico e cruel. Enquanto, em seu exílio, excursiona pela Europa Central, a menina, ao lado da irmã mais velha, é arremessada de encontro ao despedaçamento de todos os seus ideais. “A criança cozinhando na polenta” é um dito romeno, equivalente ao “bicho papão” no Brasil. Esse dito assombrará a menina nos momentos cruciais de sua vida. A classificação indicativa do espetáculo é 16 anos.
A Companhia Mungunzá de Teatro firma-se como um grupo de atores engajados na pesquisa de linguagem aliada a conteúdos que discutam o mundo atual e suas idiossincrasias. Lançando mão, para isso, da estética pós-dramática e épica, na busca de uma maior comunicação e um debate mais franco com sua platéia.
A autora Aglaja Veteranyi morreu em 2002, e deixou dois romances e uma coletânea de suas mini-histórias. Era romena, filha de artistas de circo. Nasceu em Bucareste. E depois do circo, formou-se em teatro, foi também professora de artes dramáticas, já morando na Suíça. Adaptou, ela mesma, este seu livro para o teatro. Livro que já recebeu traduções para algumas línguas.
A 2ª Mostra Sérgio Nunes de Artes Cênicas é uma realização da Prefeitura de Ourinhos através da Secretaria Municipal de Cultura, programa VivOurinhos e Associação de Amigos da Biblioteca Pública. Mais informações pelo telefone 14 3302 3344.

Nenhum comentário: