8 de mar de 2012

Viver com arte em 2012

“Viver, e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar e cantar e cantar, a beleza de ser um eterno aprendiz”. O Brasil já se deliciou com o refrão do samba “O Que É, O Que É?”, de Gonzaguinha, um verdadeiro hino à busca pela felicidade. Falando nisso, a saúde é lembrada como um direito do cidadão; a educação também e a segurança, igualmente. E a felicidade, por que não? Podemos medir a importância de que o poder público invista em cultura pela força da palavra “Felicidade”. Felizes, as pessoas adoecem menos. Felizes, se tornam mais curiosas com o mundo e aprendem mais. Felizes, se expressam mais.  A tema de trabalho da Secretaria de Cultura de Ourinhos para este ano é “Viver com arte”, concentrando os esforços para espalhar a felicidade da arte no espaço da cidade.

A proposta é um convite para que a arte e a cultura estejam conectadas ao cotidiano da cidade, presentes nos espaços físicos e no coração das pessoas, tornando os relacionamentos mais criativos e humanos. Essas duas condições – sermos mais criativos e humanos - são atitudes possíveis para qualquer um, em qualquer área de atuação. Você é professor? Ensine com arte e com prazer pela arte. Você é comerciante? Conecte-se com a agenda cultural da cidade. Ajude a criar esse ambiente. Você é artista? Pense seu projeto de trabalho para que sua arte seja acessada pelo público.

É necessário que toda a comunidade se aproprie desse sentimento de compartilhar a arte e o conhecimento, para isso se tornar a identidade de nossa cidade. Já estamos nesse caminho, pois Ourinhos é conhecida e reconhecida como uma cidade cultural. Agora, em 2012, a Secretaria de Cultura propõe um diálogo entre suas atividades e todas as outras áreas de atuação.  Isto já acontece em alguns eventos mais consolidados, como por exemplo, durante o Festival de Música. No mês de julho, a cidade se apropria do evento, que é “de” Ourinhos, aglutinando o comércio e pessoas de interesses diferentes em torno do evento. Mas podemos ir além e fazer isso o ano todo, já que temos uma vasta agenda cultural, com a Mostra de Teatro em maio, o Festival de Música em julho, o A(o)gosto das Letras em seguida, depois o Festival de Dança, a Mostra de Curtas e, ainda, o aniversário da cidade, em dezembro. Ocasião não falta.

Algumas reportagens divulgadas pelos jornais ou TV mostram iniciativas que acontecem em outras regiões, projetando ideias simples e criativas. Uma delas mostrou o inusitado de um açougue numa pequena cidade do nordeste, que também funcionava como biblioteca. E também são de cidades nordestinas os projetos de bibliotecas circulando em lombo de burros ou na garupa de bicicletas.
   
Em Ourinhos, muitas empresas estão localizadas em áreas periféricas. Nossos empresários poderiam montar espaços dedicados à leitura e audiovisual para serem utilizados no horário do almoço, por exemplo. E o exemplo poderia se estender a estabelecimentos públicos e privados, tornando o ambiente de trabalho mais aconchegante.  Assim também o cuidado com os jardins das casas ou com as vitrines das lojas pode provocar momentos de prazer para quem está passando...

Nas relações de trabalho, destacam-se as pessoas mais criativas e ousadas. Já vai longe o “Você é pago para fazer, não para pensar”, e já não se olha com desconfiança para quem trabalha em casa, sem carteira assinada, terno e gravata.  Comportamentos “engessados” vão sendo gradativamente substituídos pelo profissional com perfil mais antenado, que se expressa bem, mantém-se atualizado e participa da vida da cidade, enfim, mais conectado com o mundo em que vive.    

A Secretaria de cultura está aberta a dialogar e trocar ideias nesse caminho.

Viver com arte é possível, e é muito melhor!!

Nenhum comentário: