11 de jul de 2011

Domingo começa mais uma edição do Festival de Música

Presente no calendário cultural da cidade há mais de uma década, o Festival de Música é aguardado com ansiedade. As vitrines das lojas se enfeitam, restaurantes e hotéis se preparam para receber centenas de músicos que deixam a cidade mais alegre e bonita. Nos meses que antecedem o Festival, a cidade se inquieta e as pessoas se perguntam quem será o músico homenageado ou quem estará presente nas canjas, gerando expectativa que revela a importância do evento para a cidade.
Hermeto Pascoal e Grupo é uma das apresentações mais aguardadas pelos músicos ourinhenses.
Realizado pela Prefeitura Municipal há onze anos, em 2011 vai acontecer no período de 17 a 23 de julho. Durante uma semana, o evento oferece atividades com 41 cursos, shows, concertos, debates e palestras, proporcionando troca de experiências entre professores e jovens estudantes de música vindos de todo o Brasil e exterior.
 A décima primeira edição do evento traz “os sons do Brasil” como tema, numa alusão à riqueza e diversidade musical do país.  A proposta de trabalho da Secretaria de Cultura deste ano é celebrar a cultura nordestina, o que influenciou na escolha de Luiz Gonzaga como músico homenageado da versão 2011 do Festival de Música de Ourinhos. Edmundo Villani-Cortes é o músico homenageado este ano, e participa do show que acontece na quarta-feira, 20, no Teatro.
Desde março os alunos da rede municipal de ensino de Ourinhos participam de atividades que divulgam a obra de Luiz Gonzaga. Um trio instrumental formado por zabumba, triângulo e sanfona visita as escolas, através do projeto “Gonzagão”, coordenado pela prof. Rosemari Pedroso. Porém, a parceria firmada entre as secretarias de Educação e Cultura possibilitou que, além das músicas do Rei do Baião, outros elementos da cultura nordestina também ficassem conhecidos dos alunos ourinhenses. Assim, professores de língua portuguesa se debruçaram sobre literatura de cordel, propondo atividades nas escolas, e cópias de xilogravuras passaram a decorar os ambientes de convivência dos alunos.
Dominguinhos abre o evento no domingo às 20h30.
Na programação artística do Festival de Música deste ano, a referência ao nordeste é destacada: Dominguinhos faz o show de abertura do evento no dia 17, emboladores e repentistas apresentam-se em espaços públicos, Hermeto Pascoal faz show no dia 19, e o show do dia 22, sexta-feira, traz Maurício Carrilho e grupo em show instrumental com músicas do “Lua”. O maestro Galindo, que vai reger a Orquestra Sinfônica do Festival, planeja concerto com a Sinfonia Nordestina de Ernest Mahle, para o evento de encerramento do Festival, no dia 23. Além disso, o público vai poder visitar várias exposições com temática nordestina, e pela primeira vez o Festival propõe um curso de Danças brasileiras, com foco no sapateado nordestino.
As canjas este ano mudaram de local, e vão acontecer em prédios próximos, no Restaurante Mineiro, à rua 9 de julho, agitando as madrugadas. Como em anos anteriores, o público se divide entre os amantes do jazz, samba e choro.
A importância do Festival de Música justificou em 2010 o lançamento do livro “Divina Comunhão – Festa de todos os sons”, de Marco Aurélio Gomes e Neusa Fleury Moraes. A publicação conta a trajetória dos dez primeiros anos do evento, e registra parte da história musical da cidade. Como diria o “Rei do Baião”, o Festival deste ano “Tá danado de bom!"

Nenhum comentário: